Tuesday, August 19, 2008

Mangue Negro



Fantástica realização de Rodrigo Aragão. Nascido em 1977 na comunidade de pescadores do Perocão, em Guarapari, cresceu no meio de muita imaginação e fantasia – o pai era mágico profissional e dono de cinema. Com esse background, nada menos surpreendente que, ao assistir a filmes como O Império Contra-Ataca, de George Lucas, e Uma Noite Alucinante, de Sam Raimi, o menino ficasse entusiasmado por efeitos especiais e terror. O interesse adolescente estava lá, mas só com muito esforço transformou-se em habilidade para fazer efeitos eficientes e roteiros funcionais. Essa habilidade, desenvolvida e posta em prática nos curtas Chupa Cabras (2004), Peixe Podre (2005) e Peixe Podre 2 (2006), pode agora ser conferida em seu primeiro longa: Mangue Negro.

O filme integrou a mostra de filmes fantásticos de Porto Alegre – o conceituado Fantaspoa – e também teve sessão no Clube do Cinema de Porto Alegre, na presença do realizador.
Antes da sessão, o diretor capixaba disse que o objetivo dele ao fazer o filme era apenas possibilitar momentos de diversão ao público, deixando claro que se tratava de um filme com certo “nicho de mercado”.

Ao cabo da película (?) (o filme foi passado em dvd) a platéia estupefata pôde tecer considerações e críticas, tirar dúvidas e fazer perguntas. Uma dessas perguntas envolveu justamente o comentário de antes da sessão: qual a relação entre diversão e horror? O que há de divertido em colocar os heróis do filme na madrugada no meio de um mangue cheio de zumbis esfomeados e alucinados? A resposta concisa: o horror, para Rodrigo Aragão, é algo intrinsecamente divertido.
O custo do filme? Estarrecedoramente baixo para a qualidade do produto final: 60 mil reais, levantados com um empreendedor privado após assistir a 15 minutos do filme produzidos com sacrifício do elenco e da equipe, pagando despesas de transporte com dinheiro do próprio bolso.

Com simpatia, Aragão respondeu a todos, inclusive a mim, que perguntei o que diacho era um caramuru. Na minha ignorância de gaúcho, não sabia o nome dessa espécie de moréia do manguezal, de carne não muito apreciada, mencionada no filme. E como essa há outras referências bem regionais que dão a Mangue Negro sua autenticidade e visceralidade.

Vísceras, aliás, não faltam. Nem sangue de mentira. Nada menos que setecentos litros de sangue (cuja receita inclui até chocolate) foram gastos nas filmagens, inteiramente realizadas no quintal da casa de Rodrigo - onde ele construiu com madeiras velhas os barracos que serviram de cenário e por onde passa o principal astro do filme: o mangue.

Logo na primeira cena o espectador é apresentado ao bizarro meio em que as ações ocorrem. Uma câmera meio Peter Jackson-meio Sam Raimi aproxima-se depressa de um bote e enquadra o rosto de Agenor dos Santos (Markus Conká), um pescador contador de causos que percorre lentamente o mangue em busca de um pesqueiro, na companhia do colega remador. A tomada tem grande eficácia para incitar a curiosidade, criar a atmosfera de suspense e introduzir as personagens.

Batista (Reginaldo Secundo) enterra as mãos na lama à cata de caranguejos cada vez mais escassos. A brejeira Raquel (Kika de Oliveira) lava roupas na beira do mangue para ajudar a mãe, presa a uma cama e deficiente visual. O tímido Luís (Valderrama dos Santos) ensaia uma declaração de amor. O asqueroso Valdê (Ricardo Araújo), pai de Raquel, recebe a visita do asqueroso atravessador (Antônio Lâmego), que, enquanto espera um lote de caranguejos asquerosos, dá em cima de Raquel, para desespero de Luís.

Mas, quando o mundo enlouquece e seres desvairados e esfaimados despertam do fundo do manguezal, Luís é obrigado a adiar os momentos idílicos e a se preocupar com o essencial: salvar a pele (e a carne) da amada (e a sua também). Em meio à gosma e ao sangue, Luís maneja a machadinha com perícia, tentando repelir o ataque irresistível dos zumbis à cabana. Quando a doce carne de Raquel é dilacerada por dentes infectos, a única chance passa a ser a preta velha Dona Benedita (André Lobo), que aconselha Luís a (em plena madrugada e no mangue infestado de mortos-vivos) pescar um baiacú, cujo fel pode salvar Raquel. A preta velha é importante e bem interpretada, além de emprestar certo misticismo ao filme, mas o ritmo cai nessa parte. Aliás, no final, a única crítica feita pelos cineclubistas foi que o filme poderia ser um pouco mais curto.

Mesclando crítica ecológica e humor negro, fotografia dark e tomadas eficazes, Mangue Negro é um clássico do horror tupiniquim. A versatilidade do diretor lembra a de outro criador de efeitos especiais: Tom Savini, o responsável pelos efeitos dos filmes de George Romero. Com a diferença que Savini só estreou na direção em 1990, no remake de A noite dos mortos vivos. O Tom Savini brasileiro logo na estréia dirige, cria efeitos especiais e roteiriza. Com a pretensão apenas de divertir, mas despretensão não torna um filme bom. Talento, sim.

7 comments:

Fábulas Negras said...

Oi Ique!!!!!

Meu Nome é Mayra, e sou da equipe da Fábulas Negras, Produtora do "Mangue Negro"... bem, passo por aqui para te agradecer, pelo texto que vc postou, a nome de toda a equipe, especialemnte do Rodrigo que se sintiu muito lisonjeado por ter sido comparado com Tom Savini... muito legal!!!

E bem, também queríamos te pedir que, por favor, nos deixa-se copiar esse texto e botar no blog oficial do Mangue, lógico que com o seu nome e com o link para o seu blog. Por favor, me dé uma resposta!!!!!

Desde já, obrigadíssima!!!!


Mayra Alarcón
Produtora
Fábulas Negras

www.manguenegro.com

O Cara da Locadora said...

Escrevi algo sobre esse filme que também tive o privilégio de ver recentemente, se quiser dar uma passada no blog depois, estamos de portas abertas... Abraços....

Anonymous said...

queria tanto assistir esse filme
qd sai em DVD???

Alessandre José said...

O filme ficou bom, de maneira geral, mas principalmente nos efeitos especiais "cadavéricos", mas eu não costei do humor "pastelão" excessivo, que corta em muito o clima de terror do filme e retira um pouco da seriedade que o espectador pode atribuir nele... Cenas como a das fezes no vaso sanitário ou o zumbi lambendo raquel foram desnecassárias.

Marcio Melo said...

Comparando com as dificuldades e o valor gasto para ser feito é excelente, agora, comparando como um filme (independente de ser nacional ou internacional) não é muito bom não.

As atuações por exemplo são sofríveis, muito ruins.

Agora, a ambientação é muito boa.

Acho que a gente tem que parar com essa besteira de só porque teve suor, custou pouco, foi difícil fazer e bla bla bla do cinema nacional não sei o que, não pode falar mal.

Madruguinha stiling said...

Cara o inicio ficou mei artificial mas o resto ficou otimo a sanguenolencia do ator principal foi algo belo aos olhos de um serial killer adorei so faltava a imagem ter sido mais tratada mais ta valendo.
PS:
Parabens pelo seu filme, não leve a mal minhas criticas só to dizendo no intuito de ajudar.Um abraço e bastante sangue p você

FÁBIO ELIONAR said...

Só agora (2013) vi o filme, que já nasceu clássico. Original, clima fantástico, atores soberbos (a dona Benedita de André Lobo é inesquecível) e horror com tempero brasileiro. Rodrigo Aragão é um diretor autoral e tem a noção exata da composição visual necessária aos grandes filmes de horror.