Saturday, October 13, 2012

Linkin Park em Porto Alegre

12 de outubro de 2012. Dia do agrônomo, da criança e da padroeira do Brasil, Nossa Senhora Aparecida. E de Linkin Park no Gigantinho.

Desde já, faço um pacto com o leitor.
Este texto não terá adjetivos além dos que Chaz, um dos vocalistas do Linkin Park, usou para classificar a plateia: amazing, awesome e wild.

A recíproca vale aqui. O público que lotou o Gigantinho pensa o mesmo dos seis californianos, atrasos à parte.
Após o show de abertura da Reação em cadeia, um roadie ameaçou estender, defronte a uma das plataformas com teclados, uma bandeira do Brasil com o símbolo do Inter no meio.

 A tentativa provocou protestos de parte do público, o que obrigou o técnico a retirá-la. Em seguida apareceu uma bandeira do Estado do Rio Grande do Sul, para a ovação e, enfim, unanimidade da plateia, com direito inclusive ao hino do Rio Grande entoado por 15 mil vozes. Um pouco de bairrismo não faz mal a ninguém.
Em seguida um atraso que só aumentou o suspense e a vontade do público de conferir ao vivo a hibridez e a inovação dos hits dos cinco álbuns da banda.

Por mais rótulos que se deem ao “estilo” do grupo, e apesar das camadas de som que involucram suas canções, o Linkin Park é, antes de tudo, uma banda pop.
Letras pop. Melodias pop.

Se você considerar que “pop” vem de popular, foi-se ao brejo minha disposição de poupar adjetivos.
Mas “pop” é o mínimo que se pode dizer desses caras. Hibridez, inovação, loucura.

 Dois vocalistas se digladiando com precisão e química, uma cozinha (baixo e bateria) que prima pela discrição e pela competência, e um DJ que se apresenta descontraidamente de... chinelos!
Faltou falar do guitarrista, um pândego que toca de bermuda e não tá nem aí para se exibir, quem quiser escutar a guitarra sob a massa de acordes que escute.

O show, ou melhor, a sucessão de sucessos, fez o velho ginásio trepidar como poucas vezes antes, talvez rivalizando com os 17 mil insanos que em 1987 impressionaram o The Cure.
Não tem jeito, entra geração sai geração, no sangue de Porto Alegre (ops, olha mais um adjetivo aí!) pulsa o rock, não importa a jazida, o filão ou o veio.

O Linkin Park não vai esquecer a noite de 12 de outubro de 2012!
 
 Foto extraída de
 http://www.blog-br.com/uploads/a/AdemirPeixoto/122366.png

No comments: