Monday, December 12, 2005

Madredeus - Teatro do Sesi - 06/12/05



Um Amor Infinito – este é o título do novo trabalho do Madredeus e, também, do espetáculo apresentado em Porto Alegre, por iniciativa do grupo SONAE e Supermercado Nacional, com produção do Opinião.
Com dois violões, baixo acústico, sintetizadores e voz, Madredeus iniciou o show às 21 h 15. Teresa Salgueiro, a vocalista, avisou que o show seria em duas partes, com intervalo de quinze minutos. No palco minimalista, a banda apresentou as novas músicas. Ao término de cada uma delas, os fãs suspiravam, murmuravam consigo ‘que belo!’, gritavam ‘bravo!’, assobiavam, chamavam Teresa de ‘linda!’, pediam ‘Haja o que houver’ e aplaudiam. Muito.
Madredeus não veio a Porto Alegre para fazer o repertório do clássico Antologia. Só tocaram duas de seu mais vendido cd no Brasil, e só no bis. No mais, foi uma demonstração da qualidade da banda, que deixou claro que não precisa, para fazer um show primoroso, carregado de constante emoção, ficar revisitando toda hora músicas queridas do público. Aplausos intensos forçaram a banda a retornar duas vezes ao palco.
Foi no primeiro bis, com o público entoando primeiro baixinho, depois mais alto, a pedido de Teresa, e ela pode mandar que a gente obedece, ‘Haja o que houver’, que a sintonia entre público e banda durante todo o show chegou ao auge, que público e banda escancararam a reciprocidade do que sentem um pelo outro: um amor infinito.

1 comment:

www.elmundo.es said...

GAL, de Miguel Courtois