Saturday, December 15, 2012

Take this waltz

Bem-sucedido estudo sobre a incompreensibilidade da alma feminina. Margo (Michelle Williams) conhece durante uma viagem o misterioso e sedutor Daniel (Luke Kirby). O moçoilo, apesar de magrelo, tem um papo envolvente, olhar penetrante e um humor espirituoso. Características suficientes para despertar um sentimento novo em Margo, que a princípio não consegue decifrar exatamente qual é. Além do mais, ela é casada e se considera uma moça séria. A coincidência que possibilita a ideia do filme: Daniel é vizinho de Margo. Consequentemente, de Lou (Seth Rogen), o incauto, ingênuo e inocente maridão de Margo, chef especializado em frangos que pretende lançar um livro sobre o assunto. Mais uma "comédia romântica" sobre um triangulozinho amoroso? Não!
Entre o amor e a paixão (Take this waltz, 2012) é escrito e dirigido por Sarah Polley, e isso faz toda a diferença. O roteiro corajoso e a câmera sensível dão ao tema da infidelidade (?) feminina uma contextualização, um estofo, uma tentativa de entender... Pois entender não há como. Margo é dessas personagens que a teoria literária classifica como redondas, ou seja, imprevisíveis, humanas, demasiadamente humanas. Sarah Polley não julga sua personagem, nem a tenta entender, ou dissecá-la, ou coisa parecida. Em vez disso, conta a história de uma moça que completa cinco anos de um casamento, digamos, feliz, mas algo lhe falta. Uma lacuna. Será que vale a pena tentar preenchê-la? Ou essa lacuna é algo com que todo mundo (pelo menos, todo mundo que pretende continuar casado) precisa conviver e "sublimar"? Esse contraponto vem numa fala da personagem Geraldine (Sarah Silverman), talvez não coincidentemente a ébria do filme. Será que Margo vai "dançar essa valsa", ou, em outras palavras, ceder à tentação?  
A diretora Sarah Polley (nascida em 1979) começou sua trajetória artística como atriz mirim em seu país natal, o Canadá. Tem um longo currículo em filmes um tanto fora do mainstream, como Existenz, Madrugada dos mortos e A vida secreta das palavras. A moça, que chega ao segundo filme como diretora (Longe dela, 2006, foi a estreia), tem o cacoete de quem sabe o caminho das pedras e entende do riscado.
 

No comments: